CCATES

Eficácia, segurança e custo efetividade do metilfenidato no tratamento do transtorno de défcit de atenção e hiperatividade

PTC 15/2015

Autores: Kátia Rodrigues Silva, Laís Lessa Pantuzza, Lívia Lovato Pires de Lemos, Dr. Helian Nunes e Augusto Afonso Guerra Júnior.

RESUMO EXECUTIVO

Intensidade das recomendações: Fraca a favor da tecnologia.

Tecnologia: Metilfenidato

Indicação: Tratamendo do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Caracterização das tecnologias: O metilfenidato é um estimulante o Sistema Nervoso Central. O mecanismo de ação desse fármaco ainda não está completamente elucidado, mas presume‐se que ele bloqueia a recaptação de norepinefrina e dopamina no neurônio pré‐sináptico. Os mecanismos pelos quais esse fármaco reduz os sintomas do TDAH também não estão completamente esclarecidos. Pergunta: A intervenção Metilfenidato é segura, eficaz e custo‐efetiva no tratamento de crianças de 6 a 12 anos de idade com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade?

Busca e análise de evidências científicas: Foram pesquisadas as bases Medline (via Pubmed), The Cochrane Library, LILACS e Center for Reviews and Dissemination (CRD). Buscaram‐se revisões sistemáticas (RS) de ensaios clínicos e ensaios clínicos randomizados (ECR) que avaliassem o uso de metilfenidato no tratamento do TDAH, e estudos econômicos que avaliassem o custo‐efetividade do medicamento. Avaliações de Tecnologias de Saúde (ATS) foram pesquisadas em sites de agências internacionais, na Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologia em saúde (REBRATS), na Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) e Instituto de Avaliação de Tecnologia em Saúde (IATS). A qualidade da evidência foi avaliada pelo sistema GRADE.

Resumo dos resultados dos estudos selecionados: Foram selecionados dezenove estudos, sendo seis RS e seis ECR de eficácia e segurança, e sete estudos econômicos. Os desfechos clínicos considerados para a avaliação da eficácia e da segurança do metilfenidato foram: (i) desempenho/comportamento escolar (quatro estudos); (ii) sintomas principais do TDAH ‐ desatenção, impulsividade e hiperatividade (seis estudos); (iii) cognição (dois estudos), (iv) comportamento social (um estudo) e (v) eventos adversos (seis estudos). O metilfenidato foi considerado eficaz na melhoria do desempenho/comportamento escolar quando comparado ao placebo (três estudos) e ineficaz quando comparados o pré (antes) e o pós‐tratamento com o medicamento (um estudo). Em relação à melhoria dos sintomas principais do TDAH, o metilfenidato foi considerado eficaz quando comparado ao pré‐tratamento (dois estudos), ao placebo (um estudo) e às diferentes formulações do medicamento (um estudo). O metilfenidato teve uma eficácia comparável à atomoxetina (um estudo), mas ligeiramente inferior à anfetamina (um estudo) na melhoria dos sintomas principais do transtorno. No desfecho clínico “cognição”, o metilfenidato se mostrou eficaz quando comparado ao placebo (um estudo), mas não obteve um resultado significativo em um estudo que comparou esse medicamento com a atomoxetina. Quanto ao comportamento social, o metilfenidato foi eficaz na promoção de melhorias nesse desfecho clínico quando comparado ao placebo (um estudo). Os eventos adversos encontrados nos estudos incluídos foram semelhantes aqueles já conhecidos com o uso do metilfenidato, sendo os mais comuns a insônia e a diminuição do apetite. A qualidade dos estudos incluídos variou de baixa a muito baixa, sendo que a maior parte deles apresentou algum tipo de limitação importante. Todos os estudos econômicos foram conduzidos em outros países e o metilfenidato foi custo‐efetivo na maioria deles. Foram incluídas duas ATS de agências internacionais e uma ATS nacional. O medicamento foi recomendado para o tratamento de crianças com TDAH em todas as ATS avaliadas.

Recomendações: Recomenda‐se fracamente a favor do metilfenidato para o tratamento do TDAH em crianças com idade de 6 a 12 anos. Apesar de os estudos de eficácia incluídos neste Parecer demonstrarem benefícios na utilização do metilfenidato no tratamento de crianças diagnosticadas com TDAH, para a maior parte dos desfechos analisados, as suas evidências foram de baixa qualidade, o que não permite concluir de forma robusta sobre a eficácia desse medicamento em crianças. Além disso, existem lacunas quanto à avaliação da segurança desse medicamento na faixa etária avaliada neste Parecer, visto que foram encontrados poucos estudos e que todos eles apresentaram baixa qualidade de evidência, dificultando uma definição sobre a segurança do metilfenidato em crianças. O metilfenidato é uma alternativa custo‐efetiva para tratamento do TDAH em crianças, contudo, são necessários estudos econômicos no Brasil para determinar o custo‐efetividade desse medicamento no país.

 

Adicionar Comentário